Máquinas agrícolas e rodoviárias

Venda de máquinas muda a chave para o positivo

No acumulado de janeiro a  julho de 2018 foram comercializadas  24,6 mil unidades entre máquinas agrícolas e rodoviárias. Alta de 2,4%.

Foto Divulgação

A venda interna de máquinas agrícolas e rodoviárias trocou, enfim, a queda pelo crescimento. No acumulado do ano foram vendidas 24,6 mil unidades, volume 2,4% mais alto que o anotado no mesmo período do ano passado. Um mês atrás, a comparação interanual ainda mostrava queda de 2,3%, apesar da expectativa de colheita da segunda melhor safra no País. Os números foram divulgados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

“Crescemos 4 pontos porcentuais em um mês e caminhamos para nossa projeção de alta de 7% no acumulado do ano”, recorda o presidente da Anfavea, Antonio Megale. A associação dos fabricantes prevê a venda de 45,4 mil máquinas até o fim do ano.

Os tratores de rodas respondem pelo maior volume de vendas, 20,5 mil unidades e uma pequena queda de 1,1% ante os mesmos sete meses do ano passado. As colheitadeiras vêm a seguir, 2,5 mil máquinas em sete meses e alta de 18% na comparação interanual.

O maior crescimento, 79,6%, foi anotado pelos tratores de esteiras. Mas o volume total é bem pequeno, menos de 300 unidades no ano: “Muitas vezes são compras por prefeituras para pequenas obras de infraestrutura”, afirma o vice-presidente da Anfavea, Alfredo Miguel Neto.

EXPORTAÇÕES SOMAM MAIS DE US$ 2 BILHÕES

As máquinas enviadas ao exterior até julho somaram 7,4 mil unidades, anotando leve alta de 2% sobre iguais meses de 2017. Já em valor essas vendas externas resultaram em mais de US$ 2 bilhões e aumento de 37,8%. O resultado não foi melhor porque a exportação de tratores de rodas (cujo principal destino é a Argentina) encolheu. Ao todo o Brasil embarcou 3,6 mil unidades, 21,2% a menos que em iguais meses de 2017.

A produção total somou 33,6 mil máquinas e discreta alta de 1,1%. O destaque vai para as colheitadeiras de grãos, segundo maior segmento em volume. O Brasil montou nestes sete meses 3,4 mil unidades, 16,9% a mais no confronto interanual.

Fonte Automotive Business